sexta-feira, 31 de julho de 2009

colunas de palavras sentidas



Para justificar a minha nobre passagem
por essa bola matéria,
concebo esse poema,
essa oportunidade de gravar para o sempre
colunas de palavras sentidas
nas membranas das crateras do coração
de alguém

Não sei
quantos conseguirão ler esse escrito
e nem se realmente alguém o lerá
Mas o que me importa é conceber,
reunir pontos brilhantes
sobre os relevos do mapa
para que o caminhar se torne
mais fácil,
para que ao bater em minha porta
eu esteja para atende-lo

( edu planchêz)

Um comentário:

Natália Parreiras - Corujão da Poesia e da Música disse...

Querido, é animador saber que está á porta para receber aqueles que se atrevem à poesia!
Lindo poema, lindo!