sábado, 3 de outubro de 2009

um castelo chinês na mente de filho pensando na mãe




um castelo chinês na mente de filho pensando na mãe,
lágrimas pequenas,
imagens que não consigo ainda digerir

o homem, o artista, meio desmoronado,
vendo os tijolos do amor moverem-se
pelo o amor mesmo, pelas fendas do tempo,
pela agulhas do infinito das coisas
que somem e aparecem

está doendo, não posso negar,
não tenho como esconder,
mas não sou o covarde que põe
a cabeça entre as pernas
e deixa um porco coberto de lama
sobre um carro puxado por demônios o esmagar

(edu planchêz)

Um comentário:

sil disse...

Esse está a cara de um enlaçador de mundos mssm!!!bj