segunda-feira, 1 de março de 2010

o resto é com você











“Você está crescendo e não está vendo,
tem total proteção,
o resto é com você”


Palavras de uma amiga:

"É, tem certas coisas
que eu gosto de me esquivar mesmo,
acho melhor"

você acha que todos querem te comer,
mas não é bem assim comigo

tudo Cazuza,
mulher homem violão
estou lembrando que peguei na tua cintura,
foi uma honra,
cazuza para comemorar

"só se for a dois":
ouçamos o albúm inteiro,
ouça, você é linda,
merece,
ouça, é foda

quis ficar com você aquele dia em João Pessoa...
ouçamos cazuza

vou fazer um poema falando nisso

escute esse cd ai
"estou escutando"

esse albúm é o meu preferido

quero o lado puto de cazuza
e de Maria Callas

marginal
vagabundo(a)

falando em marginal,
você gosta de Ana Cristina C.?

o lado B de bunda,
adoro

Ana Cristina Cesar é minha mestra
"À teus pés" (leu esse livro dela?)

Ana Cristina Cesar tem um poema
que relata estar sugando o próprio seio,
amo,
ela é exposta,
fala da própria vagina com tanta beleza

"mas conheço muito pouco da obra dela"

ela não tem medo de tesão,
da loucura

leia mais
Ana Cristina Cesar,
ela é foda,
ela tem um poema que começa mais ou menos assim:

" acordei com uma coceirinha no himem,
com um espelhinho examinei o local,
vi que ele estava com um vermelho à mais,
passei pomada nos lábios brilhante e rugosos,
com isso acabaram os meus planos de ir de bicicleta
até a ponta do Arpoador,
o selim poderia reavivar a irritação,
resolvi então dedicar-me a leitura..."

ela é uma das minhas preferida,
gosto de mulheres sem vergonha de ser mulher

sou mulher,
possuo vaginas poéticas

você falou de Ana Cristina Cesar
abriu meu baú de leite,
isso é um metáfora,
uma imagem,
intenda de acordo com o teu desejo
a poesia é desejo

“será mesmo só desejo?”

ANA CRISTINA CESAR é meu clitóris

a poesia é o gozo da criação e da destruição

não se sinta mal quando falo sobre esses assuntos,
falo de forma sagrada
pautado na alta literatura

sou um poeta vagabundo
vadio tal qual o vadinho de dona flor de jorge amado
vadiar para vadinho era fazer amor,
vivo o intenso sem medidas

“eu gostaria de ser assim
mas ainda preciso me libertar
de muitas coisas”

você é,
seja doravante,
agora,
assuma quem é,
o mundo é o mundo, você é você,
ouça cazuza

“sempre escutei muito cazuza,
aos 13 anos virei fã dele”

quem manda na teu libido,
na tua poesia e música é você

sou as tripas do cazuza

“foi escutando e lendo sobre ele
é que aprendi muita coisa”

rasgue tudo sem medo

“foi com ele que aprendi a gostar de cartola,
janis joplin e clarice lispector…”

assuma a tesuda poeta rasgada revolucionária

“ultimamente estou assim à la cazuza...
"meio-errada" sabe?
ás vezes me sinto culpada,
ás vezes não, é estranho isso.”

não sinta,
vivo bolinando tudo,
seja errada mesmo.

outro dia numa das apresentações
do voluntários da pátria
beijei a boca de todas

“de todas?”

Todas...
estava bêbado numa boate
em Ipanema,
saí com uma delas

e levanvantei a saia da moça num bar
e à bolinei por baixo da mesa
em nome de cazuza

“eita porra”

foi lindo

“O que é bolinar?”

meter a mão na buceta

adoro
sou tarado
tal qual cazuza

“né? tou vendo!”

vivo o tesão
não tenho + idade,
somos sem vergonha,
o tesão é vida,
é rock,
sem tesão não há rock,
sem mão na buceta não há rock

Ana Cristina Cesar é isso,
não tenha vergonha de mim, nem dela,
somos poetas tal qual você

os poetas são seres nus
andam descalços pela pele dos que tremem

eu tremo sinto frio na barriga,
o blue me faz assim,
o teu blue,
o blue de cazuza

blue é assim baby

sei que é forte o que falo,
mas você é forte para ouvir e falar

vou trabalhar esse nosso papo tecer um poema puto

não se fala blues,
se fala blue, no singular

você conhece o meu "O RIO DO BLUE"
que está no youtube?

Errada-sagrada,
SUA VINDA AO RIO SERÁ FUNDAMENTAL
para se tornares um sol maior,
para rasgar todos os papéis
que atravancam tua caminhada de poeta cantora

compreenderás quando aqui chegar...
eu te apoio com todas almas que tenho

possuo a veia quente

o clitóris de Ana Cristina Cesar
rasga o planeta, as estrelas, nos faz celebridades...

peguei na cintura dessa mulher gênio...
que honra!!!

(edu planchêz)

4 comentários:

pedrolago disse...

Não é à toa que o Guilherme te adora!
:-)

abraços,

Pedro Lago.

Juliana Porto disse...

Um "puta" poema.

Beijos.

PLANCHÊZ disse...

esse poema/texto é fruto de uma bate-papo uma mulher cantora compositora de João Pessoa: Gabriela... OBRIGADO PELOS PUTAS CONSIDERAÇÕES

PLANCHÊZ disse...

ADORO ESSE POEMA. VIVA GUILHERME ZARVOS!!!!!!!!!!!!!!